6 de jan de 1984

Meu coração

Às vezes pego a caneta e o papel pra me forçar a escrever, como se me sentisse na obrigação de imprimir meu coração no papel.

Àsvezes meu coração me manda pegar a caneta e o papel e rege minhas mãos, vai ver deu vontade nele, vai ver não tinha mais nada pra fazer.

Ele é meio doido, não sabe o que quer. Tem horas que gosta de fazer tudo bonitinho, nos conformes, mas tem horas que ele sai jogando tudo à esmo, como ficar, ficou.

Às vezes ele quer falar de amor
Às vezes quer dizer que tá triste
Certas horas quer falar de Rock n' Roll
E outras horas diz coisas que nunca disse

Meu coração é assim, nem se dê ao trabalho de tentar entender. É mais fácil deixá-lo lá, pra ele ser o que quiser ser